InoCare

InoCare - O que é?

É uma formulação desenvolvida com Myo-Inositol, D-Chiro-Inositol e outros micronutrientes especificamente testados no suporte e regulação da ovulação e reprodução feminina.

O que é o Síndrome do Ovário Poliquístico (SOP)?

O termo descreve ovários que contêm cerca de duas vezes o número normal de pequenos quistos. Estes quistos estão localizados logo abaixo da superfície dos ovários e são folículos que não se desenvolveram adequadamente devido a um conjunto de irregularidades hormonais.

As mulheres com SOP apresentam um ou mais dos seguintes sintomas:
  • Menstruações irregulares, ou a sua ausência
  • Ovulação irregular ou a ausência absoluta de ovulação
  • Redução da fertilidade – dificuldade de conceção
  • Hirsutismo (crescimento excessivo de pêlos)
  • Excesso de oleosidade da pele e do cabelo, sinais de acne
  • Queda de cabelo
  • Problemas de peso – o excesso de peso, ganho de peso rápido e dificuldade em perder peso
  • Mudanças de humor e por vezes depressão

O síndrome do ovário poliquístico é muito comum, afetando 5-10% das mulheres. Contudo os estudos referem que 20% das mulheres têm ovários poliquísticos sem os sintomas acima referidos.

Algumas mulheres podem ter alguns sintomas leves, enquanto que outras podem apresentar sintomas mais graves. Estas sintomas têm inicio geralmente na adolescência.

Principais implicações para a saúde a longo prazo

Os quistos encontrados no contexto do SOP não representa um problema de saúde e não precisam ser removidos cirurgicamente.

Ciclo menstrual anormal
Resistência a insulina
Gravidez
Como é o SOP é diagnosticado?

O SOP é uma condição variável que afeta as mulheres de diferentes maneiras. Algumas mulheres têm apenas alguns sintomas leves, enquanto outras podem ter sintomas mais graves. A presença de ovários poliquísticos é um dos critérios de diagnóstico, mas a sua presença não é essencial.

Se apresenta os sintomas típicos do SOP deverá consultar o seu médico para que seja efetuada uma correta avaliação.

Caso seja diagnosticado o SOP, o seu médico irá discutir consigo a melhor forma de gerir os seus sintomas. Na maioria dos casos, esta gestão passa por mudanças no próprio estilo de vida, e será, eventualmente, prescrita medicação e suplementação para o seu caso especifico.

A sua idade e peso irá determinar o procedimento de acompanhamento.

Causas

A causa exata é ainda desconhecida, mas acredita-se poder estar relacionada com alterações hormonais anómalas e é frequentemente associado à resistência à insulina.

Resistência à insulina

A insulina é uma hormona produzida pelo pâncreas que permite controlar a quantidade de açúcar presente no sangue (a glicose). Ela funciona particularmente sobre as células do fígado e dos músculos, levando à absorção de glicose do sangue, que por sua vez será convertida em energia.

A insulina é uma hormona com várias funções no nosso organismo, em especial no metabolismo dos hidratos de carbono, gorduras e proteínas.

A resistência à insulina desempenha um papel importante em 50-70% das mulheres com SOP, independentemente do seu peso. A resistência à insulina reduz a capacidade das células de processarem normalmente a glicose, resultando na acumulação no sangue (hiperglicemia). O organismo compensa através da secreção de mais insulina, resultando em níveis demasiado elevados desta hormona (hiperinsulinemia).

A insulina exerce a sua função através da ligação a um recetor específico (uma proteína localizada na membrana celular). Desta forma, a insulina regula indiretamente o metabolismo intracelular para produzir os efeitos desejados, sem necessidade de entrar na célula. A ligação desencadeia diversos processos biológicos, em que uma componente chave é o principal ingrediente ativo do InoCare.

A insulina tem um outro efeito, faz com que os ovários produzam testosterona. Nas mulheres com SOP, o excesso de insulina traduz-se em demasiada produção de testosterona. Níveis elevados de testosterona podem dar origem ao aparecimento de alguns dos sintomas já descritos, nomeadamente o hirsutismo, oleosidade excessiva da pele e do cabelo e ainda a perda de cabelo.

Altos níveis de insulina e testosterona podem igualmente impedir o normal desenvolvimento dos folículos nos ovários, com muitos folículos que não se desenvolvem plenamente. Como consequência muitas mulheres apresentam problemas de menstruação e redução da fertilidade.

A resistência à insulina também pode levar a um ganho de peso. O excesso de adiposidade leva o organismo a produzir ainda mais insulina, o que naturalmente agrava os sintomas. Pode criar-se assim um ciclo vicioso e é, por essa razão, tão importante minimizar o ganho de peso.

Embora que não seja objetivamente conhecida a causa do SOP, está comprovado que a hiperinsulinemia normalmente desempenha um papel chave no desenvolvimento do síndrome.

Tratamento

Não existe uma cura para o SOP, mas uma gestão eficaz dos sintomas pode ser alcançada através de mudanças de estilo de vida, medicação e a suplementação com InoCare.

Uma das medidas mais simples é controlar o seu peso. Estamos cientes de que isso pode ser muito exigente e difícil, mas pode fazer uma grande diferença no seu bem-estar.

Alguns medicamentos podem diminuir os níveis de insulina, tratamento da acne, favorecer o crescimento do cabelo e regular a sua menstruação. Se deseja engravidar pode ser necessário recorrer a um tratamento de fertilidade. Consulte o seu médico que a poderá acompanhar no seu caso especifico.

Para as mulheres com SOP que têm resistência à insulina, foi comprovado que o tratamento com InoCare proporciona melhorias significativas na regulação hormonal, redução da acne e crescimento excessivo de pêlos, restaurar e regularizar a menstruação e reduzir a pressão arterial.

Melhorias significativas com o uso de InoCare durante a gravidez

Em mulheres grávidas com SOP o InoCare reduz o ganho de peso, normaliza o tempo de gestação e reduz a incidência de diabetes.

A evidência mostra que não só InoCare confere à mulher grávida benefícios claros, como há uma ausência de quaisquer efeitos secundários observados na dose recomendada.

O papel do InoCare no SOP

Quando tomado na dose recomendada de 2 saquetas por dia, o InoCare fornece 400 microgramas de Ácido Fólico, 4 gramas de Myo-Inositol, 100 miligramas de D-Chiro-Inositol, 10 miligramas de Manganésio e 10 microgramas de Vitamina D.

Os ensaios mais recentes têm demonstrado que a suplementação com InoCare aumentam a sensibilidade à insulina em 84%. O InoCare ajuda na perda de peso em conjunto com uma dieta equilibrada. O InoCare permite ainda regular a ovulação na maioria das mulheres com anovulação devido ao SOP.

 

O papel do InoCare no tratamento de Procriação Medicamente Assistida

O InoCare deve ser usado como um adjuvante nos protocolos de hiperestimulação ovárica controlada.

Tomado durante o tratamento de Procriação Medicamente Assistida, o InoCare demonstrou melhorar a qualidade dos ovócitos e do embrião e reduzir o risco de hiperestimulação.

Pode ser tomado com segurança durante a gravidez e reduz a incidência de diabetes gestacional e parto pré-termo.

O InoCare dispõe do rácio ideal de suplementação de Myo-Inositol e D-Chiro-Inositol conforme evidência cientifica mais recente.

O InoCare é de origem vegetal (sem glúten ou lactose) e sem efeitos secundários.

Bibliografia

Papaleo E, Unfer V et al, Myo-inositol in patients with polycystic ovary syndrome – a novel method for ovulation induction Gynec Endoc December 2007; 23(12): 700–703

Costantino D et al, Metabolic and hormonal effects of myo-inositol in women with polycystic ovary syndrome: a double-blind trial. Eur Rev Med Pharm Sci 2009; 13: 105-110

Matarrelli B, Vitacolonna E et al, Effect of myo-inositol in pregnancy of maternal gestational DM and foetal outcomes – Randomised Study. J Matern Fetal Neonatal Med, 2013; 26(10): 967-972

D’Anna R et al, Myo-Inositol Supplementation and Onset of Gestational Diabetes Mellitus in Pregnant Women With a Family History of Type 2 Diabetes – a prospective, randomized, placebo-controlled study. Diabetes Care, Vol 36, April 2013: 854-857

D’anna et al., Myo-inositol Supplementation for Prevention of Gestational Diabetes in Obese Pregnant Women. Obstetrics and Gynecology, Vol. 126, no. 2, August 2015; 310 – 315

Zacchè et al, Efficacy of myo-inositol in the treatment of cutaneous disorders in young women with polycystic ovary syndrome. Gynecol Endocr Aug 2009; 25(8): 508-513

Zacchè et al, Efficacy of myo-inositol in the treatment of cutaneous disorders in young women with polycystic ovary syndrome. Gynecol Endocr Aug 2009; 25(8): 508-513

Capasso I, Esposito E et al, Combination of inositol and alpha lipoic acid in metabolic syndrome-affected women: a randomized placebo-controlled trial. Trials 2013, 14:273

Genazzani AD et al, Differential insulin response to myo-inositol administration in obese PCOS patients., Gyecol Endocr, 2012; 28(12):969-973

Santamaria A et al, One year effects of myo-inositol in postmenopausal women with metabolic syndrome. Climacteric 2012; 15: 490-495

Giugliano E et al, The prevention of gestational diabetes. J Diabetes Metab 2013, 4:286

Gerli S, Papaleo E et al, Randomized, double blind placebo-controlled trial effects of Myo-inositol on ovarian function and metabolic factors in women with PCOS. Eur Rev Med & Pharm Sci 2007; 11: 347-354

Artini P, Di Berardino O et al, Endocrine and clinical effects of myo-inositol administration in polycystic ovary syndrome – A randomised study optimised. Gynec Endoc, 2013; 29(4): 375-379

Colazingari S, Treglia M et al, The combined therapy Myo-inositol plus D-chiro-Inositol rather than D-chiro-inositol is able to improve IVF outcomes – results from a randomised controlled trial. Arch Gynecol Obstet (2013) 288:1405-1411

Carlomagno G, Unfer V, Inositol safety – clinical evidences. Eur Rev Med & Pharm Sci 2011; 15: 931-936

Unfer V, Carlomagno G et al, Effects of myo-inositol in women with PCOS – a systematic review of randomized controlled trials. Gyn Endoc, 2012; 1–7

Diamanti-Kandarakis E, Dunaif A, Insulin Resistance and the Polycystic Ovary Syndrome Revisited: An Update on Mechanisms and Implications. Endocrine Reviews 33: 981–1030, 2012

Donà G, Sabbadin C et al, Inositol administration reduces oxidative stress in erythrocytes of patients with polycystic ovary syndrome. Eur J of Endoc (2012) 166 703–710

Ciotta L, Stracquadanio M et al, Effects of Myo-Inositol supplementation on oocytes quality in PCOS patients a double blind trial. Eur Rev Med & Pharm Sci 2011; 15: 509-514

Franks S, Gilling-Smith C et al, Insulin action in the normal and polycystic ovary. Endocrinol Metab Clin North Am. 1999 Jun;28(2):361-78

Nestler J, Strauss J, Insulin as an effector of human ovarian and adrenal steroid metabolism. Endocrinol Metab Clin North Am. 1991 Dec;20(4):807-23

International Diabetes Federation, 2005

Essah P, Wickham E, Nestler J, The metabolic syndrome in polycystic ovary syndrome. Clin Obstet Gynecol. 2007 Mar;50(1):205-25