FerCare e FerCare Forte

Anemia – o que é?

A anemia é uma patologia em que a hemoglobina (um pigmento que dá cor aos glóbulos vermelhos e tem a função de transportar o oxigénio dos pulmões para os tecidos) apresenta valores inferiores ao normal.

Trata-se de uma doença comum que pode afetar qualquer pessoa, no entanto é mais frequente em mulheres em idade fértil, devido à perda de sangue durante a menstruação e gravidez. Os idosos figuram também nos grupos de risco, devido à absorção deficitária de ferro.

Está devidamente documentada que a deficiência ou fraca absorção em ferro, é um problema de saúde pública global, com a Organização Mundial de Saúde a afirmar que o ferro é assim a principal deficiência em todo o mundo. Há uma variedade de suplementos de ferro no mercado, no entanto, há um significativo problema que advém da sua ingestão: irritação e desconforto gastrointestinal.

Em mulheres adultas, o volume normal de glóbulos vermelhos é de aproximadamente 36% a 48%. Este volume é ligeiramente mais alto nos homens (40% a 52%). A concentração de hemoglobina é habitualmente entre 11.5 miligramas por decilitro (mg/dl) e 17.5 mg/dl, com algumas variâncias, dependendo do laboratório que realiza os testes. A busca por uma origem, incluindo défice vitamínico ou de nutrientes como o ferro ou perdas sanguíneas, são fatores importantes. O tratamento depende da gravidade da anemia e da sua causa de base.

Nos casos mais ligeiros ou em fases iniciais da doença, os sintomas podem passar despercebidos e ser apenas detetados em análise ao sangue. De um modo geral, a anemia está associada aos seguintes sinais:

Os suplementos de ferro geralmente causam dor abdominal, obstipação e vómitos, entre outros sintomas. Os profissionais de saúde relatam que 87% dos pacientes têm problemas com suplementos de ferro.

Porque é que os suplementos de ferro causam dor abdominal, obstipação e vómitos, entre outros sintomas?

Para entender porque é que suplementos de ferro normalmente causam dor abdominal e desconforto intestinal, precisamos de perceber como é que o organismo absorve ferro de forma livre.

Quando os suplementos de ferro são tomados, a absorção de ferro passa por várias etapas no aparelho digestivo. O ácido gástrico, as enzimas e a ação da digestão que ocorre no estômago, ajudam a tornar o ferro mais solúvel. No entanto, o nosso organismo tem uma limitada capacidade de absorção de apenas 20% desse ferro, deixando livres os restantes 80% por absorver.

A absorção de ferro ocorre através das células na parte superior do intestino delgado, onde algumas bactérias nocivas se alojam e alimentam-se desse ferro não absorvido, levando então ao desconforto intestinal. Além disso, a inflamação dos intestinos reduz a possibilidade de absorção de ferro. Alguns alimentos podem limitar a absorção de ferro.

Com uma limitada capacidade de  absorção e desconforto gastrointestinal, as fontes padrão de ferro encontradas na maioria dos suplementos enfrentam muitos desafios para ajudar os pacientes a alcançar o equilíbrio do ferro necessário.

A Lactoferrina de FerCare da LifeWell, é a abordagem mais atual, com um mecanismo de acção especifico e que não provoca desconforto gastrointestinal.

FerCare – o que é?

A LifeWell disponibilizou em Portugal uma solução mais atual e inovadora na suplementação de ferro!

O FerCare é composto por lactoferrina liofilizada na sua composição, que é um composto de lactoferrina derivada do leite.

A lactoferrina dispõe de uma capacidade única de se ligar ao ferro livre no intestino, transportando-o para que possa ser devidamente absorvido. Isto elimina o ferro livre que causa irritação intestinal, pelo que se alcançam os níveis desejados de ferro, sem causar perturbações gastrointestinais.

FerCare Forte – o que é?

É a suplementação de ferro mais completa e atual do mercado, foi desenvolvida para dar resposta em todos os casos em que existe um aumento significativo das necessidades de ferro: doenças gastrointestinais, doenças renais crónicas, gravidez e amamentação. A força da FerCare Forte reside na sua excelente tolerabilidade e integridade. O FerCare Forte dispõe de Lactoferrina em associação ao Bisglicinato Ferroso, uma das fontes de ferro mais estudadas e com uma excelente tolerabilidade.

Esta combinação de lactoferrina com ferro foi especialmente desenvolvida para reduzir os efeitos gastrointestinais, por comparação com outros suplementos de ferro.

O que é a Lactoferrina e como é que ela promove a absorção de ferro?

A lactoferrina é uma glicoproteína naturalmente presente no leite: “Lacto” = leite, “ferrina” = ferro. É um membro da família da transferrina que transporta iões de ferro. É um constituinte natural dos fluidos corporais, como a saliva, o leite materno e as lágrimas.

A lactoferrina demonstrou em pesquisas clínicas ser uma fonte de ferro mais biodisponível, aumentando os níveis de ferritina sérica em 5,8x, o que permite uma absorção mais eficiente do ferro, em comparação com outras fontes de ferro. Também foi comprovado que dispõe de acção anti-inflamatória natural, medida pelo marcador de IL-64.

A lactoferrina é uma proteína multifuncional de defesa de primeira linha, que possui uma fonte de ferro mais biodisponível quando comparada ao sulfato ferroso. Tem uma maior capacidade de se ligar ao ferro do que outras transferrinas. A lactoferrina liga-se o ferro já presente no corpo, ajudando o corpo a utilizá-lo e absorvê-lo de forma mais eficiente. Isso elimina a necessidade de adicionar fontes não-nativas de ferro, permitindo que o corpo receba o equilíbrio correto de ferro, sem o desconforto gastrointestinal.

A evidência clínica com FerCare!

Como referido, o FerCare, é a opção mais aprazível para o sistema digestivo, apoiando assim o trato gastrointestinal e todas as suas funções. Em vez de acrescentar ferro elementar – do tipo que se encontra em praticamente todos os suplementos de ferro do mercado – que causa inflamação intestinal, a lactoferrina de FerCare ajuda o organismo a absorver o que já lá está e, mais importante, sem perturbações gastrointestinais. Em pesquisas clínicas, a Lactoferrina de FerCare mostrou-se mais biodisponível, permitindo uma absorção mais eficiente do ferro, em comparação com outras fontes de ferro.

Com FerCare obtém 200 mg de lactoferrina, sem lactose e sem glúten.

FerCare Forte

Bibliografia
  1. De Benoist B, McLean E, Egli I, Cogswell M. Worldwide Prevalence of Anaemia 1993–2005: WHO Global Database on Anemia. Geneva: WHO; 2008.
  1. Xiong X, Buekens P, Alexander S, Demianczuk N, Wollast E. Anemia during pregnancy and birth outcome: a meta-analysis. Am J Perinatol 2000;17: 137–46.
  1. Di Renzo GC, Spano F, Giardina I, Brillo E, Clerici G, Roura LC. Iron deficiency anemia in pregnancy. Women’s Health (Lond) 2015;11:891–900.
  1. WHO. Haemoglobin concentrations for the diagnosis of anaemia and assessment of severity. Vitamin and Mineral Nutrition Information System. Geneva: World Health Organization; 2011 (WHO/NMH/NHD/MNM/11.1) http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/85839/3/WHO_NMH_NHD_MN- M_11.1_eng.pdf?ua=1 (Accessed 6 March 2017).
  1. Center for Disease Control and Prevention. Recommendations to prevent and control iron deficiency in the United States. Morb Mortal Wkly Rep. 1998; 47 (RR-3): 1-29.
  1. Pavord S, Myers B, Robinson S, Allard S, Strong J, Oppenheimer C, et al. UK guidelines on the management of iron deficiency in pregnancy. Br J Haematol 2012;156:588–600.
  1. WHO, CDC. Assessing the iron status of populations. Report of a joint World Health Organization/ Centers for Disease Control and Prevention technical consultation on the assessment of iron status at the population level. Geneva, Switzerland. 2005. pp. 1_30.
  1. WHO. Guideline: Daily Iron and Folic Acid Supplementation in Pregnant Women. Geneva: World Health Organization; 2012.
  1. Stotzfus RJ, Deryfuss ML. Guidelines for the use of iron supplements to prevent and treat iron deficiency anaemia. International Nutritional Anaemia Consultative Group (INACG), World Health Organization (WHO), United Nations Children’s Fund (UNICEF), Washington, DC, USA, 1998. Available from: http://www.who.int/nutrition/publications/micronutrients/guidelines/daily_iron_supp_womenandgirls/en/ (Accessed 6 March 2017)
  1. Preventing iron deficiency in women and children. Background and consensus on key technical issues and resources for advocacy planning and implementing national programs, UNICEF/UNU/WHO/MI. UNICEF, New York, NY, USA, October 1998.
  1. Metz-Boutigue, M.H.; Jollés, J.; Mazurier, J.; Schoentgen, F.; Legrand, D.; Spik, G.; Montreuil, J.; Jollès, P. Human lactotransferrin: Amino acid sequence and structural comparisons with other transferrins. Eur. J. Biochem. 1984, 145, 659–676.
  1. Suzuki y.a., Lopez V., Lonnerdal b. (2005): Mammalian lactoferrin receptors: structure and function. Cellular and Molecular Life Sciences, 62, 2560–2575.
  1. Valenti, P.; Antonini, G. Lactoferrin: An important host defence against microbial and viral attack. Cell. Mol. Life Sci. 2005, 62, 2576–2587.
  1. Brock JH. The physiology of lactoferrina. Biochem Cell Biol. 2002;80(1):1-6.
  1. Levay P. F. and Viljoen M. (1995) Lactoferrin: a general review. Haematologica 80: 252–267.
  1. Lourdes Sanchez, Miguel Calvo, Jeremy H Brock. Biological role of lactoferrin. Archives of Disease in Childhood 1992; 67: 657-661.
  1. Mikogami T, Heyman M, Spik G, Desjeux JF. Apical to-basolateral transepithelial transport of human lactoferrin in the intestinal cell line HT-29cl. Am J Physiol. 1994;/267:/308_15.
  1. Carmine Nappi, Giovanni Antonio Tommaselli, Ilaria Morra, Mariangela Massaro, Carmen Formisano & Costantino Di Carlo. Efficacy and tolerability of oral bovine lactoferrin compared to ferrous sulfate in pregnant women with iron deficiency anemia: A prospective controlled randomized study. Acta Obstetricia et Gynecologica, 2009, 1_5.
  1. Scientific Opinion on bovine lactoferrin. EFSA Panel on Dietetic Products, Nutrition and Allergies (NDA). European Food Safety Authority (EFSA), Parma, Italy. EFSA Journal 2012;10(5):2701.
  1. H. Abu Hashim et al. Lactoferrin or ferrous salts for iron deficiency anemia in pregnancy: A meta-analysis of randomized trials. / European Journal of Obstetrics & Gynaecology and Reproductive Biology 219 (2017) 45–52