PSA e Rastreio do Cancro da Próstata

PSA e Rastreio do Cancro da Próstata

Antigénio específico da próstata ou PSA é uma proteína produzida exclusivamente pela próstata e libertada para a corrente sanguínea.

O doseamento regular do PSA deve ser considerado em todos os homens com mais de 50 anos ou a partir dos 45 anos caso haja história familiar de cancro da próstata ou se se tratar de um homem de raça negra.

A elevação do PSA pode ser resultado de condições como prostatite, hipertrofia benigna da próstata ou cancro da próstata. No entanto, um valor de PSA superior a 4ng/mL deve ser sempre considerado um sinal de alarme e motivar avaliação por um Urologista.

A avaliação de PSA não deve dispensar a realização periódica de uma avaliação física com toque rectal. Existem outros estudos complementares como a ecografia prostática ou a ressonância magnética multiparamétrica da próstata que devem ser considerados caso-a-caso. O diagnóstico definitivo de um cancro da próstata pressupõe a realização de uma biópsia prostática.

Existem opiniões contraditórias relativamente à recomendação do rastreio universal da população geral. O rastreio do cancro da próstata através do doseamento do PSA possibilita o diagnóstico em estádios precoces da doença, reduzindo o risco de morte pela mesma. Apontam-se como principais desvantagens o facto de poder falhar 15-20% dos diagnósticos de cancro – provocando uma falsa sensação de segurança ao doente que apresenta um valor de PSA dentro dos valores da normalidade – e o possível “sobre- diagnóstico” de doenças de baixo risco que, por sua vez, resultariam num “sobre-tratamento” que também tem efeitos adversos que impactam na qualidade de vida do doente.

O cancro da próstata é uma doença heterogénea, classificada segundo critérios de risco. Uma pequena percentagem dos doentes com doença de baixo risco não requerem tratamento imediato e podem entrar num programa de vigilância activa. Desta forma, um “sobre-diagnóstico” não resulta necessariamente em “sobre-tratamento”. No entanto, mesmo neste contexto, o impacto psicológico subjacente ao diagnóstico de uma doença oncológica não deve ser desvalorizado.

Em suma, o rastreio de PSA deve ser proposto a todos os homens com mais de 45/50 anos com uma esperança média de vida superior a 10 anos e deve ser complementado com uma avaliação com toque rectal. A abordagem de um valor de PSA elevado, particularmente a decisão de realizar uma biópsia prostática, deve ser sempre da responsabilidade de um Urologista.

Dra. Luísa Jerónimo Alves
Urologia
Hospital Beatriz Ângelo
Loures

O conteúdo cientifico reproduzido nesta página foi desenvolvido pelo profissional de saúde mencionado.

Partilhe esta publicação